Prisão de ventre: Definição

Prisão de ventre afeta negativamente sua qualidade de vida: Ela é caracterizada por evacuações desconfortáveis ou pouco frequentes, que ocorrem menos que três vezes na semana. As fezes são geralmente secas e/ou pequenas, fazendo com que sua passagem seja difícil ou até dolorida¹. Outros sintomas podem ser a dor, desconforto abdominal e o trânsito instestinal lento².

A prisão de ventre pode parecer com outras condições médicas ou pode ser um sintoma de outra condição médica². Se você tem prisão de ventre por mais de uma semana ou percebe uma mudança súbita nos seus hábitos de evacuação, recomendamos que você consulte um médico.

Como seu Sistema Digestivo funciona

Seu sistema digestivo é um grupo complexo de órgãos que trabalham em harmonia para transformar comida em energia e nutrientes, pois seu corpo precisa deles para funcionar e permanecer saudável. Proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas, minerais e água são nutrientes. Seu sistema digestivo quebra os nutrientes em pedaços pequenos para que seu corpo consiga absorvê-los e utilizar para energia, crescimento e reparo celular. Seu intestino grosso absorve água e o que não é absorvido na digestão vira fezes. Nervos e hormônios ajudam a controlar o processo digestivo³.

Illustration: The Digestive System (NIH NIDDK, 2017 3)

A digestão começa na boca. Quando a comida é mastigada é misturada com saliva, ela vai em direção ao esôfago e então chega ao estômago. Depois que a comida entra no estômago, os músculos estomacais misturam a comida e líquidos com o suco digestivo. O estômago esvazia essa mistura, chamada de quimo, até seu intestino delgado.

O bolo alimentar então passa para o intestino delgado, onde é quebrado em moléculas simples. As paredes do intestino delgado absorvem água e os nutrientes digeridos até a corrente sanguínea. O que não é absorvido segue em direção ao intestino grosso.

A última etapa da digestão ocorre no intestino grosso. Ele absorve mais água e eletrólitos, transformando o líquido que sobrou em fezes. As fezes então são transportadas para o reto, onde ficam até que tenha volume suficiente para ativar os receptores de evacuação.

Prisão de ventre pode ocorrer quando o que está no reto é muito seco para ativar o reflexo de excreção ou as contrações do colón são muito fracas para evacuar. Isso pode deixar as fezes mais duras pois elas continuam no reto. Isso também pode causar dores e flatulência.

Perguntas frequentes

Quando começamos a falar de prisão de ventre, geralmente temos diversas perguntas.

  • Prisão de ventre primária

    Prisão de ventre primária é caracterizada pela evacuação difícil, não frequente, e/ou incompleta, sem causa conhecida ou doença pré-existente. Essa é condição mais comum quando falamos de prisão de ventre. Quer dizer que mesmo depois de um exame médico completo, incluindo testes diagnósticos, não foram encontradas causas nem anormalidades que podem ser responsáveis pela constipação.

    Prisão de ventre secundária

    Esse tipo de prisão de ventre é associada a alguns fatores, impactando sua rotina de evacuações, como no caso de bloqueios intestinais. Muitas condições médicas podem afetar os músculos ou nervos usados para a evacuação, incluindo4:

    • Efeitos de medicamentos
    • Obstrução mecânica (ex: câncer de cólon, lesão, etc)
    • Diminuição do intestino grosso
    • Anormalidades pós-cirúrgicas
    • Dilatação anormal do intestino grosso (megacólon)
    • Fissura anal (um rasgo ou ferida aberta na parede do intestino grosso)
    • Distúrbios do metabolismo, como Diabetes mellitus, hipotireoidismo, hipercalcemia, demência, lesão na medula espinhal ou tumor
    • Outras condições, incluindo depressão, doença degenerativa e imobilização, doença cardíaca
       

    Concluindo, esse tipo de prisão de ventre pode ser causada por medicamentos ou como um efeito colateral de alguma doença. Um médico pode testar para saber se o problema é médico. Esses problemas geralmente podem ser tratados. Nesse caso, você sabe qual a causa, então você e seu médico podem tratar isso!

    Prisão de ventre crônica x aguda

    É importante saber a diferença entre prisão de ventre aguda (dias a semanas) e crônica (meses a anos) pois essa informação, junto dos sintomas, ajudam o médico a descobrir a causa.

    Mais frequentemente, prisão de ventre crônica é o resultado de um distúrbio primário do intestino por causa da alimentação (como pouca ingestão de fibra), estilo de vida (como sedentarismo), ou uma doença do transporte das fezes pelo intestino grosso ou esvaziamento retal6.

  • Prisão de ventre pode te causar complicações, que podem interferir no seu dia a dia e afetar sua felicidade e efetividade. Ela pode incluir:

    • Veias inchadas no ânus (hemorroidas). Se esforçar para evacuar pode causar inchaço nas veias dentro e ao redor do ânus.
    • Pele rasgada no ânus (fissura anal). Fezes grandes ou duras podem causar pequenos rasgos no ânus.
    • Fezes que não podem ser expelidas (fecaloma). A prisão de ventre pode causar acúmulo de fezes endurecidas que ficam presas nos intestinos.
    • Intestino que se projeta do ânus (prolapso retal). O esforço para a evacuação pode fazer com que uma pequena porção do reto se estique e se projete do ânus.

Soluções Dulco©

Em casos de prisão de ventre, você pode contar com os laxantes com ingredientes como bisacodil ou picossulfato de sódio.

Saiba mais sobre a prisão de ventre

Aqui você pode encontrar respostas para algumas das perguntas mais comuns sobre prisão de ventre.

    1. U.S. Department of Health and Human Services National Institutes of Health (NIH) – National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (NIDDK). Constipation. 2018 https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/constipation/definition-facts

    2. John Hopkins Medicine. Health conditions and diseases – Constipation. 2021. https://www.hopkinsmedicine.org/health/conditions-and-diseases/constipation

    3. U.S. Department of Health and Human Services National Institutes of Health (NIH) – National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (NIDDK). Your Digestive System & How it Works. 2017 https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/digestive-system-how-it-works

    4. Bharucha AE, Lacy BE. Mechanisms, Evaluation, and Management of Chronic Constipation. Gastroenterology. 2020 Apr;158(5):1232-1249.e3. doi: 10.1053/j.gastro.2019.12.034. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2019.12.034

    5. Camilleri M, Ford AC, Mawe GM, Dinning PG, Rao SS, Chey WD, Simrén M, Lembo A, Young-Fadok TM, Chang L. Chronic constipation. Nat Rev Dis Primers. 2017 Dec 14;3

    6. MayoClinic 2019. https://www.mayoclinic.org/diseasesconditions/constipation/symptoms-causes/syc-20354253

    DULCOLAX® (bisacodil). Indicação: casos de constipação intestinal, no preparo para procedimentos diagnósticos, no pré e pós-operatório e em condições que exigem uma evacuação facilitada. MS 1.8326.0401. DULCOLAX® GOTAS (picossulfato de sódio). Indicação: para o tratamento da constipação e para facilitar a evacuação intestinal. MS 1.8326.0476. O USO DO MEDICAMENTO PODE TRAZER ALGUNS RISCOS. Leia atentamente a bula. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.